PFMO “OSAN POVU NIAN, JERE HO DI’AK” entrega certificados do Curso “Fake News e Desinformação” e do Ateliê “Jornalismo de Dados “para os jornalistas timorenses

PFMO “OSAN POVU NIAN, JERE HO DI’AK” entrega certificados do Curso “Fake News e Desinformação” e do Ateliê “Jornalismo de Dados “para os jornalistas timorenses

No passado dia 15 de dezembro realizou-se a cerimónia de encerramento e a entrega de certificados para 35 formandos, que totalizam o curso “Fake News e Desinformação” e o ateliê de “Jornalismo de Dados”, que decorreu nos dias 12 a 30 de outubro. A cerimónia teve lugar na sala Orquídea, no Hotel Timor Plaza, em Díli e contou com a presença do representante do Embaixador de Portugal, o Vice-Chefe de Missão e Conselheiro, Dr. João Brito da Câmara, da representante do Embaixador da União Europeia, a Conselheira Política, Sra. Doerthe Wacker, do representante do Secretário de Estado para a Comunicação Social, Sr. Luís Soares, bem como do Coordenador-Geral do Projeto PFMO-Componente 2 “OSAN POVU NIAN, JERE HO DI’AK”, Dr. Rui Dinis.

O projeto PFMO-Componente 2 é cofinanciado pela União Europeia (UE) e cofinanciado e gerido pelo Camões, I.P.

Na sua intervenção a Conselheira Política da Embaixada da União Europeia, Sra. Doerthe Wacker reforçou que “especialmente nestes tempos da pandemia COVID-19 aprendemos o quão perigoso pode ser quando os jornalistas publicam uma informação que não é correta. Uma informação errada ou enganosa pode criar o medo na população, pode levar a discriminação, ódio e até violência.

Por isso esta formação para os jornalistas é uma tarefa essencial, para assegurar que os jornalistas fiquem cientes da sua grande responsabilidade e o poder que eles têm. Eles têm de estar conscientes das consequências das suas ações se não fizerem um bom trabalho. Assemelha-se ao trabalho de um médico, que sabe que se não fizer um tratamento correto, o seu paciente poderá morrer.”

Por sua vez o Vice-Chefe de Missão e Conselheiro da Embaixada de Portugal, Dr. João Brito da Câmara disse que “A utilização da internet com as suas múltiplas fontes de informação - websites, plataformas digitais, redes sociais, repositórios de arquivos e bancos de dados, etc. – coloca à disposição dos profissionais um gigantesco volume de dados, que o jornalista deverá saber analisar, questionar e traduzir em linguagem acessível a todos os cidadãos. Exige, igualmente, que o jornalista compreenda os fundamentos destas novas fontes de informação, domine as ferramentas para verificar a veracidade das informações, saiba identificar e desmistificar notícias falsas. Em duas palavras, saiba distinguir entre “informação” e “desinformação”; “veracidade” e “falsidade”.  O jornalista tem uma importante responsabilidade profissional e social no combate às notícias falsas”.  

O representante do Secretário de Estado para a Comunicação Social, Sr. Luís Soares reforçou que “Todos juntos no combate à desinformação podemos fazer uma grande diferença a médio e longo prazo” e reiterou o apoio do Projeto na sua contribuição” Agradeço ao PFMO a sua contribuição na discussão deste tema e à oportunidade que deu aos nossos formandos para o aprofundamento dos conhecimentos nesta área. Obrigado também a todos os formandos pela participação e pela vossa vontade em querer aprender sempre mais.”

No final da cerimónia contou com a participação especial da banda “The Kraken” que tocou a música “Combate HOAX, combate Lia Falsu”, da autoria da banda e que mostra a importância de se combater as “notícias falsas” e as vantagens e desvantagens do uso da internet.

Esta é uma das atividades temáticas previstas no âmbito da parceria entre o CENJOR e o PFMO-C2 para o fortalecimento dos profissionais de comunicação social em Timor-Leste, num programa de colaboração iniciado em novembro de 2019, com continuação em 2021 e 2022.